Três falsos evangelhos


No livro de Gálatas, Paulo advertiu seus convertidos:
“Admiro-me de que vocês estejam abandonando tão rapidamente aquele que os chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho que, na realidade, não é o evangelho. O que ocorre é que algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo. Mas ainda que nós ou um anjo do céu pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado!” (Gálatas 1:6-9)
Estas palavras vibrantes devem convencer qualquer Cristão esclarecido a pensar que é bastante possível para Satanás, seus anjos e agentes “perverterem o evangelho de Cristo” e que aqueles que acreditam nessas “boas novas” são realmente enganados pelo diabo. De modo ameaçador, isso realmente aconteceu aos convertidos do próprio Paulo na Galácia, e eles estavam em perigo de serem “amaldiçoados”. Devemos ficar atentos para que o mesmo não ocorra conosco.
Aqui estão três perversões populares que devemos evitar:

1. O falso evangelho do “Eu sou bom o suficiente para ser salvo”.

Infelizmente, milhões de professos cristãos têm aceito esta perversão como verdade. Eles pensam que apenas porque eles não são tão maus como outros homens, eles estão automaticamente indo para o céu. Jesus Cristo advertiu sobre esta ilusão em sua parábola sobre “alguns que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os outros” (Lucas 18:9). Em sua oração, o fariseu orgulhoso se vangloriou: “Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho” (Lucas 18:11-12). Esse tipo de auto-complacência não levará ninguém aos Portões Celestiais, mas para o lago de fogo. Por outro lado, o humilde publicano “nem ousava olhar para o céu, mas batendo no peito, dizia: Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador”. (Lucas 18:13). Jesus deixa claro que o cobrador de impostos foi “justificado” por Deus, não o fariseu (cf. v. 14).
Paulo esclarece em sua carta aos gálatas que a única maneira que qualquer pecador pode ser legalmente “justificado”, o que significa ser declarado “não culpado” diante de um Deus santo, é pela “fé em Cristo e não pelas obras da lei” (Gálatas 2:16). Em outras palavras, ser “bom” não vai nos salvar. Nem realizar boas ações. Nem a guarda da lei pode fazer isso. Somente a verdade do evangelho de Jesus Cristo que pode nos salvar. É preciso ter fé pessoal em Jesus Cristo somente.

2. O falso evangelho do “Eu posso continuar vivendo em pecado”.

Este erro é comparável a uma vala do outro lado da estrada, e é muito popular. Milhões supõe que porque não são salvos pelas “obras da lei”, que isto significa que eles podem nominalmente aceitar Jesus Cristo como seu Salvador, e depois fazer o que quiserem, até mesmo ao ponto de praticar voluntariamente o pecado conhecido. “Só Jesus é perfeito”, eles podem reclamar (o que é verdade), mas então eles erroneamente concluem que, portanto, está ok para os cristãos fazerem coisas más. No mesmo livro de Gálatas, Paulo também advertiu:
“Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.” (Gálatas 5:19-21).
Você entendeu isso? Sob o título geral de “as obras da carne” Paulo listou “adultério”, “prostituição”, “feitiçaria”, “homicídios”, “bebedices” e “ira”. Bem, muitos que praticam esses pecados irão racionalizar, “uma vez, que ninguém é perfeito, o que se pode esperar?” A minha resposta é que Jesus Cristo espera que estes pecados sejam cortados, tanto do coração como da vida de cada verdadeiro cristão. Se não forem, o que Paulo diz? Tome nota: “Aqueles que praticam tais coisas não herdarão o reino de Deus” Acreditar no contrário é acreditar em um falso evangelho.
3. O falso evangelho do “Eu não preciso guardar a lei”.
 Esse último engano é insidiosamente sutil. Porque o Novo Testamento deixa claro que os pecadores não são justificados ou salvos “pelas obras da lei”, muitos têm, portanto, erroneamente concluido que os Dez Mandamentos já passaram, e não precisam ser guardados. Mas se você olhar de perto para as obras da carne citadas por Paulo na lista acima, e depois compará-las com Êxodo 20:3-17, verá que Paulo está realmente listando violações específicas da Lei de Deus. “Adultério” quebra o 7º mandamento, “idolatria” viola o segundo, e “homicídio” quebra o sexto. Em seguida Paulo enumera nove “frutos do Espírito”, como “amor”, “alegria”, e “paz”, e conclui dizendo: “Contra estas coisas não há lei”. O que significa isso? Isso significa que a lei de Deus não é contra esses bons frutos, mas ainda é contra os maus! Assim, a lei de Deus ainda existe, e deve ser obedecida. Podemos ter certeza que esta é a intenção de Paulo, porque em outra carta ele citou o quinto mandamento, afirmando: “Honra teu pai e tua mãe”, e, em seguida, ele ordena que os filhos cristãos sejam “obedientes”! (Ver Efésios 6:1-3).
Então, qual é o verdadeiro evangelho, afinal? Nós não precisamos especular, pois a resposta está na Bíblia Sagrada. Paulo escreveu:
“Também vos notifico, irmãos, o evangelho que já vos tenho anunciado; o qual também recebestes, e no qual também permaneceis. Pelo qual também sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado; se não é que crestes em vão. Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.” (1 Coríntios 15:1-4).
Aí está, claro e simples, direto da pena inspirada de Paulo. “Cristo morreu por nossos pecados … foi sepultado … e ressuscitou dos mortos”. Esse é o evangelho. Mas o que é “pecado”? Novamente, não precisamos adivinhar, pois João disse-nos claramente quando ele escreveu, “O pecado é a transgressão da lei” (1 João 3:4). Então, como devemos responder a Boa Nova de que o nosso amado Salvador morreu numa cruel cruz para pagar a pena completa por nossos pecados de quebrar os Dez Mandamentos? A resposta bíblica é que devemos nos “arrepender” (ver Atos 2:38) – o que significa afastar-se dos pecados de quebrar a lei de Deus – e crer no evangelho. Em seguida, o próprio Jesus nos diz: “Se me amais, guardai os meus mandamentos” (João 14:15), que é uma citação direta do segundo mandamento (ver Êxodo 20:06).
Se dermos ouvidos a esse conselho inspirado, vamos evitar o falso evangelho do “Eu sou bom suficiente para ser salvo”, o falso evangelho, do “Eu posso continuar vivendo em pecado” e o falso evangelho, do “eu não preciso guardar a lei” e escapar do engano. Em seguida, iremos seguir “a verdade do evangelho” (Gálatas 2:5) nestes últimos dias.
Texto de autoria de Steve Wohlberg, publicado no site White Horse Media. Crédito da Tradução blog Sétimo Dia http://setimodia.wordpress.com/
Fonte: Sétimo Dia

Comentários

Postar um comentário

Comentários que ofendam a fé cristã,com palavrões,ofensas ou que façam ataques pessoais não serão publicados.

Postagens mais visitadas deste blog

Livros de Ellen White em PDF - Download

Colossenses 2:13-14 - Explicação