Esboço da Escola Sabatina - Lição 13 - Reavivamento prometido: missão cumprida

Resumo da lição da Escola Sabatina - Lição 13 - Reavivamento prometido: missão cumprida




Autor: Evandro Fávero, mestre em Teologia,
secretário e departamental de Missão Global na União Sul Brasileira.

Introdução

Promessas são um tipo de segurança para aqueles que a recebem. Alguns costumam fazer diferentes tipos de promessa e, por vezes, não as cumprem e acabam ficando em descrédito. Muitos acabam não acreditando em nada nem em ninguém devido a promessas quebradas.
Os discípulos estavam atentos e com medo quando Jesus começou a falar-lhes sobre as coisas que aconteceriam (Jo 13; Mt 24). Percebendo a condição deles, Cristo gentilmente proferiu a promessa mais significativa do Novo Testemento: O derramento do Espírito Santo, a Vinda do Consolador! Aquele que guiaria o povo em toda a verdade, justiça e juízo até que viesse o fim.
“Desde a eternidade, o Espírito Santo fez parte da Divindade, como Sua terceira Pessoa, [...] A verdade acerca do Espírito Santo é mais bem compreendida quando a vemos através de Jesus Cristo. Quando o Espírito Santo vem aos crentes, Ele vem como o ‘Espírito de Cristo’ – ou seja, Ele não vem de Seu próprio direito, apresentando Suas próprias credenciais. Sua atividade histórica se centraliza na missão salvadora de Cristo. [...] Quando Jesus revelou a origem da missão do Espírito Santo ao mundo perdido, mencionou duas fontes. Em primeiro lugar, Se referiu ao Pai: ‘Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador, [...] o Espírito da verdade (Jo 14:16, 17; cf. 15:26 [...]). O batismo com o Espírito Santo é chamado de ‘a promessa do Pai’ (At 1:4). Em segundo lugar, Cristo fez menção de Si mesmo: ‘Eu vo-lo enviarei [ao Espírito Santo] (Jo 16:7). Portanto, o Espírito procede tanto do Pai quanto do Filho” (Nisto Cremos, CPB, p. 79, 82).
O derramento do Espírito sobre cada cristão é o que o habilita à obediência e ação contínuas em favor do Evangelho.

I- Domingo: O poder prometido

Quando Cristo ordenou aos Seus discípulos que espalhassem pelo mundo as novas de Sua vinda, não os mandou sozinhos, mas a cada um conferiu o Santo Espírito a fim de que tivessem poder e não falassem de si, mas movidos pela Sua força. Cristo lhes assegurou poder, mediante Sua presença. A promessa de Sua presença e segunda vinda trazia a responsabilidade individual de ir e anunciar a todos os povos, línguas e nações.
Os discípulos cumpriram a missão e viveram na esperança da vinda de Jesus. A missão de cada cristão é comunicar ao mundo quem Jesus é e estender a todos a oferta de salvação. Cristo se fará conhecido por nosso intermédio se nosso viver tiver por base Seus princípios. Todo aquele que receber o poder do alto comunicará ao mundo o amor de Deus. O mundo verá e certamente crerá em quem nos enviou. Devemos nos lembrar de que a promessa é para todos que desejarem.

Perguntas para discussão:


- Você se sente verdadeiramente comissionado por Cristo a pregar ao mundo?
- É possível que o evangelho alcance todos os povos, línguas e nações?
- Qual é meu papel na pregação do evangelho nos últimos dias?

Deus está derramando Seu Espírito sobre aqueles que O desejam. Vivemos no limiar desse tempo. O evangelho será pregado e todos saberão quem é Deus. Essa é a promessa. Veja a seguinte descrição do que acontecerá quando essa promessa se cumprir plenamente:
“Parecia existir um grande movimento – um trabalho de reavivamento – em ação em vários lugares. Nosso povo se movia em linha e respondia ao apelo de Deus” (Testemunhos Para Ministros, p. 515).

II – Segunda: Chuva Temporã e Chuva Serôdia


Na Bíblia, o derramamento do Espírito sobre os crentes em Jesus é comparado à chuva. Esse simbolismo é utilizado por diversas razões: a) sem água não há vida na Terra. Ela é fundamental para que exista toda forma de vida; b) rega a terra, fazendo brotar seu fruto, permitindo uma colheita farta; c) enche os rios gerando novas nascentes; d) literalmente, lava o ar, fazendo assentar a poeira e outras impurezas que nele existem. O trabalho do Espírito Santo em nós ocorre de modo semelhante. Sem Ele seria impossível viver.Somente Ele produz frutos espirituais em nós e nos lava de nossas iniquidades. A Bíblia fala de dois tipos de chuva:

- Chuva Temporã. É derramada constantemente sobre a vida do cristão que busca a presença do Espírito. Ilustra nossa transformação, conversão diária mediante a contemplação. Veja o que Ellen White diz:

“No Oriente, a chuva temporã cai no tempo da semeadura. Ela é necessária para que a semente possa germinar. Sob a influência dos fertilizantes aguaceiros, brota o tenro rebento. [...]” (E Recebereis Poder, p. 27).
“Foi pela confissão e pelo abandono do pecado, por meio de fervorosa oração e da entrega pessoal a Deus, que os primeiros discípulos se prepararam para o derramamento do Espírito Santo no dia de Pentecostes. O mesmo trabalho, porém em grau mais elevado, deve ser feito agora. Então o agente humano apenas teve que pedir a bênção e esperar que o Senhor aperfeiçoasse a obra a seu respeito. Foi Deus quem começou a obra, e Ele a terminará, tornando o homem completo em Jesus Cristo. Mas não se deve negligenciar a graça representada pela chuva temporã. Somente os que estiverem vivendo de acordo com a luz que têm recebido poderão receber maior luz. A não ser que nos estejamos desenvolvendo diariamente na exemplificação das ativas virtudes cristãs, não reconheceremos as manifestações do Espírito Santo na chuva serôdia” (Review and Herald, 2 de março de 1897).

- Chuva Serôdia: Simboliza o derramamento especial do Espírito Santo, sobre aqueles que vivem em conformidade com a vontade Deus em um momento especial da história desse mundo. Leva os homens a ter caráter semelhante ao de Cristo. Os que receberem essa chuva se unirão para o último clamor aos perdidos.

- “[...] A chuva serôdia será mais abundante. O Salvador dos homens será glorificado, e a Terra será iluminada com o brilhante fulgor dos raios de Sua justiça. Ele é a fonte de luz, e a luz procedente das portas entreabertas tem incidido sobre o povo de Deus, para que possa exaltá-Lo em Seu glorioso caráter, perante os que jazem em trevas” (Home Missionary, 1º de novembro de 1893).

“[...] Porém, a chuva serôdia será mais copiosa. O Espírito aguarda que a peçamos e a recebamos” (Parábolas de Jesus, p. 121).


Perguntas para discussão:


- Como deve ser nossa busca pelo Espírito Santo?
- Como saber se estou recebendo a chuva temporã?

III- Terça: Pré-requisitos para a chuva serôdia

Atos 4:31 ilustra o derramento do Espírito de forma especial em reposta às orações dos discípulos. O verso é claro em dizer que estavam reunidos. Vemos, portanto, duas atitudes importantes: unidade entre os seguidores de Cristo e oração. “A história da Igreja Cristã Primitiva é uma demonstração de como essa oração foi respondida. Essa renovação especial do Espírito Santo assegurou, por semelhante modo, a continuação do ministério de milagres prodigiosos...” (Champlin, O Novo Testamento Interpretado, Versículo por Versículo, v. 3, p. 105).

Pergunta para discussão:

- Deus deseja nos capacitar também nos últimos dias da história. De que forma podemos buscar esse poder?

“Sede, pois, irmãos, pacientes até a vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e a serôdia. Sede vós também pacientes, fortalecei os vossos corações; porque já a vinda do Senhor está próxima” (Tg 5:7, 8).

IV- Quarta: O batismo com fogo

A metáfora do fogo é utilizada na Bíblia para ilustrar o poder do Espírito atuando em nossa vida. No Pentecostes, houve línguas de fogo. É usada também a expressão o fogo do Espírito, e tantas outras ilustrações para simbolizar o Espírito Santo.
O fogo é comparado ao Espírito, pois algumas de suas qualidades são: a) revelar qual é a qualidade do material em chama; b) Consumir as impurezas; c) aquecer, e afastar os insetos; d) iluminar; e) produzir energia; f) purificar tudo.

Três textos especiais no Novo Testamento falam sobre o fogo:


“E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas Aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; Ele vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo” (Mt 3:11, RC).

“Vim lançar fogo na Terra; e que mais quero, se já está aceso?” (Lc 12:49, RC).
“De repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que [os cristãos] estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles” (At 2:2, 3, RC).
 “O que é o batismo com fogo? Não é algo contrário ao batismo do Espírito Santo. Não se trata de uma alternativa – se alguém não foi batizado então terá de ser batizado com o fogo fatal. Mas a Escritura não diz: ‘ou com fogo’, mas ‘o Espírito Santo e com fogo’. Trata-se aqui de uma frase explicativa, completando a ideia. É a maneira escriturística de repetir para salientar e reforçar um só pensamento. Devemos ser batizados com o fogo divino agora para podermos escapar da destruição do fogo consumidor mais tarde” (A Vinda do Consolador, CPB, p. 265, 266).
O ‘batismo com fogo’ precisa ser compreendido como a plenitude do poder de Deus nos últimos dias da história desse mundo.
Perguntas para discussão:

1. Comente com a classe sobre as características do fogo que nos ajudam a reconhecer a atuação especial do Espírito sobre nós.


2. Leia Mateus 3: 10-12 e comente com o grupo.


3. Comente: “O Espírito Santo [...] os capacitava a falar com fluência línguas [...] A aparência de fogo significava o zelo fervoroso com que os apóstolos trabalhariam, e o poder que assistiria sua obra” (Atos dos Apóstolos, p. 39).

V- Quinta: O grande conflito terminou

Perguntas para discussão:

1. Qual é a sua maior expectativa na vida?


2. Como seu viver tem representado a Cristo?


3. Vivemos a grande esperança. De que forma podemos ajudar outros a viver de idêntica maneira?


4. Quais são as atitudes que revelam um servo de Cristo? Como vivê-las a cada dia?


5. Para o cristão, qual é a importância de dar a última mensagem de advertência ao mundo?


“O grande conflito terminou”. Essa certamente é a expectativa não só dos crentes em Cristo, mas de todo o Universo que assiste com atenção o que Satanás tem feito com a criação de Deus e com Seu caráter. Aproxima-se o tempo em que o Ancião de Dias Se levantará de Seu trono para julgar todas as obras, quer sejam boas, quer sejam más. Aproxima-se o dia da redenção dos servos fiéis de Deus; aqueles que, durante seu viver foram batizados com água e fogo, que receberam a chuva que lava, purifica e faz crescer.

Quem receberá a vida eterna? Aqueles que, dia a dia, desenvolveram caráter nobre, puro, semelhante ao de Cristo. Sua marca é o amor e bondade; não se conformaram com este século, mas mesmo em aflição continuaram ao lado de Deus. Os fiéis em Cristo estão ansiosos para espalhar as boas-novas de salvação ao mundo. Temos ouvido constantemente essa mensagem em nossas igrejas, mas quanto ela é real em nosso viver? Temos sido verdadeiramente o povo escolhido de Deus? Somos um reflexo de seu amor ao mundo? Hoje é o dia de aceitar essa verdade e ser renovadoespiritualmente, seguindo estritamente a vontade de Deus e cumprindo a missão.

CONCLUSÃO:

“O grande conflito terminou. Pecado e pecadores não mais existem. O Universo inteiro está purificado. Uma única palpitação de harmonioso júbilo vibra por toda a vasta criação. DAquele que tudo criou emanam vida, luz e alegria por todos os domínios do espaço infinito. Desde o minúsculo átomo até ao maior dos mundos, todas as coisas, animadas e inanimadas, em sua serena beleza e perfeito gozo, declaram que Deus é amor” (O Grande Conflito, p. 678).

Fonte: CPB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livros de Ellen White em PDF - Download

Colossenses 2:13-14 - Explicação