Viagem do Papa Francisco à Coréia do Sul e a Unidade Mundial

“E vi uma das suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta”. Apocalipse 13:3

A Besta do Apocalipse também pode ser chamada de o Anticristo. Tal título se deve ao fato de esta tentar ocupar o lugar de Jesus aqui na terra. Esta contrafação religiosa é notória na profecia.
Jesus começou seu ministério público após ser batizado nas águas por João Batista (Mateus 3); a Besta surge do mar (Apoc. 13:1). Jesus Cristo foi morto, mas ressuscitou.
Semelhantemente, imitando falsamente a Jesus, Roma Papal recebeu uma ferida de morte em 1798, quando Napoleão Bonaparte mandou o general Berthier prender o Papa Pio VI. O Papado recebeu um golpe. Entretanto, ao longo dos anos, aos poucos, tem sido restaurado o prestigio diante das nações deste poder apóstata, ou seja, a ferida está sendo curada. Quando esta cura se completar, poderemos afirmar que a Besta ressuscitou. Neste momento, toda a Terra já estará se maravilhando e recebendo as orientações deste poder representante do Dragão, que é Satanás (Apoc.12:9). O resultado inevitável será perseguição e morte (Apoc 13:15-17) aos que se opõe a esta aliança das trevas, ou seja, aos que guardam os mandamentos de Deus e tem o Testemunho de Jesus (Apoc. 12:17/ 14:12). Roma revelará o mesmo caráter terrível que teve durante a perseguição na Idade Media.
O clímax do conflito final será a Batalha do Armagedom, onde só haverá dois grupos, os que seguem o Anticristo X o remanescente de Deus. João deixa claro que Satanás terá um grande exército mundial:

“Porque são espíritos de demônios, que fazem prodígios; os quais vão ao encontro dos reis da terra e de todo o mundo, para os congregar para a batalha, naquele grande dia do Deus Todo-Poderoso”. Apocalipse 16:14.

Os reis da Terra e quase todos os moradores do planeta estarão unidos na batalha contra os fiéis de Deus. Contudo, a minoria não estará em desvantagem. Aqueles que pregaram o Evangelho Eterno pelos 4 cantos da Terra terão ao seu lado um numeroso exército de anjos celestiais. Amém!
Mas antes que chegue o Armagedom, há uma preparação entre as nações: a cura da ferida mortal, para que haja a ressurreição da Besta.
Ao observar o noticiário (TV, Jornais e Internet) de 2013 e 2014, analisando-o a partir da profecia apocalíptica, observamos que o Papa Francisco tem conseguido com grande êxito se tornar uma referência entre os líderes mundiais de um modo muito rápido, e isto não é por acaso. A simpatia e o carisma do Bispo de Roma são contagiantes, ele é realmente muito popular. Sua luta pela paz e pelo fim da fome são atos dignos de prêmio. Contudo, sabemos que esta “construção” da popularidade deste argentino é uma estratégia de Roma para conquistar tanto pessoas comuns quanto presidentes de países, e ele têm conseguido cativar todos com sua simplicidade. Podemos afirmar que parcialmente a profecia abaixo está se cumprindo:
“E toda a terra se maravilhou após a besta”. Apocalipse 13:3


Na última quarta-feira, dia 13/08/2014, o Papa Francisco entrou em um avião com destino à Coréia do Sul. Durante o voo, ele conseguiu um feito histórico que foi noticiado no site da Rádio Vaticano:

“Pela primeira vez um avião levando um Pontífice pode sobrevoar o espaço aéreo da República Popular da China, graças à autorização de Pequim’.

Isto pode parecer algo simples, mas com certeza não foi sem importância. Se a China autorizou que o avião com o Papa sobrevoasse seu território, isto é uma indicação de que já está havendo aproximação entre o Vaticano e este país Comunista. Inclusive o Papa Francisco enviou um telegrama ao Presidente Xi Jinping:

“Entrando no espaço aéreo chinês, expresso os meus melhores votos à sua excelência e a todos os seus cidadãos e invoco a bênção divina de paz e bem-estar sobre a nação”.
Ainda durante o voo, o Papa recomendou aos jornalistas que “a sua palavra possa sempre unir-nos ao mundo”, mas também que a sua palavra possa ser uma verdadeira “mensagem de paz”, da qual o mundo tanto precisa, hoje.
O mundo em unidade é um tema recorrente do ministério deste Papa, tanto que ele tem lutado pelo Ecumenismo, ou seja, a união das religiões, e também pelo bom relacionamento entre as nações para que haja paz.
Sobre a paz, é notório destacar as palavras do Papa em seu primeiro discurso na Coréia do Sul:

“Faço votos de que todos nós possamos dedicar-nos à construção da paz, à oração pela paz, reforçando o nosso compromisso de a realizar”.

Nesta quinta-feira, dia 14/08/2014, em Seul, o Papa Francisco fez um apelo às duas Coreias para que superem as recriminações e interrompam a mobilização de forças, ao destacar que a paz só poderá ser alcançada com o diálogo e o perdão.
Este foi o tema do portal G1na internet: “Papa defende a paz entre as Coreias por meio do diálogo”.

Em outro apelo já na sexta-feira, dia 15/08/2014, o Papa evocou mais uma vez a unidade:

“A Igreja é germe de unidade para toda a família humana. Em Cristo, todas as nações e povos são chamados a uma unidade, que não menospreza a diversidade, mas a reconhece, harmoniza e enriquece”.

O argumento para a paz entre as coréias faz alusão a algo maior, a unidade mundial. Este é o propósito do Vaticano, colocar toda a família humana sobre a liderança do Papa: judeus,
católicos, muçulmanos, budistas, espíritas, protestantes ou qualquer outro credo. Em uma reza com os jovens sul-coreanos ele disse:
“Senhor, somos uma família. Ajude-nos a alcançar a união. O Senhor pode. Para que não haja vencedores ou vencidos. Só uma família, somente irmãos”.
E acrescentou:
“Somos irmãos que falam a mesma língua… pensem em seus irmãos no norte. Eles falam a mesma língua e quando se fala a mesma língua em família há uma esperança humana”.

Em Junho de 2014, judeus, católicos e muçulmanos testemunharam um momento histórico no Vaticano: um encontro de oração pela paz no Oriente Médio. O encontro histórico entre o presidente de Israel, Shimon Peres, o presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, o Papa Francisco e o Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, aconteceu nos Jardins do Vaticano.
A oração pela paz na Terra Santa em junho, e o discurso de paz entre a Coréia do Sul e a Coréia do Norte agora em setembro, colocam o Papa Francisco como o embaixador da paz no mundo. Com este discurso de bom moço, o Papa está restaurando o prestigio mundial de Roma. Devemos nos lembrar de que esta paz mundial não será concretizada, pois assim Paulo profetizou:

“Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão”. 1 Tessalonicenses 5:3

Ainda na sexta-feira, dia 15/08/2014, o Papa rezou uma missa em um estádio com 50 mil pessoas, neste pediu que os cristãos: “combatam o encantamento do materialismo e rejeitem os modelos econômicos desumanos”. Este discurso em defesa do trabalhador que é escravizado pelo sistema econômico resultará em uma única coisa: uma mudança para um novo sistema econômico mundial. O Papa enfatizou sua crítica ao sistema atual pedindo aos jovens:

“Que também rejeitem os modelos econômicos desumanos que encontram novas formas de pobreza e marginalização dos trabalhadores”.

A nova ordem trará uma nova carga horária de trabalho e um dia de descanso para o trabalhador. E contra a vontade de Deus, lançando a verdade por terra, o dia instituído será o Domingo, que será colocado como dia santo, dia da família.
Os passos para a ressurreição da Besta estão sendo dados em nossos dias. Contudo, não podemos nos esquecer de que apesar de um discurso bonito, a marca da autoridade do Papado está em ter mudado a Lei de Deus (Daniel 7:25). Trocaram o dia de adoração verdadeiro que é o Sábado pelo Domingo, o dia de adoração pagão. Os 10 mandamentos são
Eternos (Salmos 119:96). Jesus não alterou nem um jota e nem um til da Lei (Mateus 5:17-18), ou seja, o Sábado continua sendo o Dia do Senhor.
Nos últimos momentos da história deste mundo toda a terra estará sob as asas de Roma, e este poder apóstata mostrará sua real face através da perseguição aos que não querem se unir em torno do dia falso de adoração.Contudo, Jesus, o Cavaleiro do cavalo branco virá para guerrear pelo Seu povo, então seremos salvos. Assim João relata a vitória dos fiéis:
“E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo, e ao seu exército. E a besta foi presa, e com ela o falso profeta, que diante dela fizera os sinais, com que enganou os que receberam o sinal da besta, e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com enxofre. E os demais foram mortos com a espada que saía da boca do que estava assentado sobre o cavalo, e todas as aves se fartaram das suas carnes”. Apocalipse 19:19-21

Os sinais estão se cumprindo. Lembre-se: é hora de vigiar e orar.

William Fernandes

Administrador da Página Apocalipse no Facebook https://www.facebook.com/apocalipseoficial
E-mail: williamprimo@gmail.com
WhatsApp: (11) 97251-6495





Comentários

  1. “O poder de Roma está se fortalecendo no Governo, na Igreja e no coração dos Homens”

    O mundo está cheio de:
    tempestade, guerra e contenda.
    Contudo, ao mando de um chefe - o poder papal - o povo se unirá para opor-se a Deus na pessoa de Suas testemunhas.
    Essa união é cimentada pelo grande apóstata.
    Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 171.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários que ofendam a fé cristã,com palavrões,ofensas ou que façam ataques pessoais não serão publicados.

Postagens mais visitadas deste blog

Livros de Ellen White em PDF - Download

Colossenses 2:13-14 - Explicação